Israel Feliz

por jvanildes
 

Em uma declaração tipicamente desastrada, o Secretário de Estado dos EUA John F. Kerry se queixou recentemente que os israelenses estão satisfeitos demais para acabar o conflito com os palestinos: “A população de Israel não acorda todos os dias ponderando se amanhã haverá paz porque há uma sensação de segurança, de realização e de prosperidade”.

Embora o Sr. Kerry equivoca-se em relação aos israelenses (o rejeicionismo palestino, não a prosperidade, fez com que eles abandonassem a diplomacia), ele está certo, quanto aos israelenses terem “a sensação de segurança e de prosperidade”. Eles são por via de regra felizes. Uma pesquisa de opinião recente constatou que 93% dos israelenses judeus têm orgulho de serem israelenses. Sim, as armas nucleares assombram e existe a possibilidade de confrontação com Moscou, mas as coisas nunca estiveram melhores. Com agradecimentos a Efraim Inbar da Universidade Bar-Ilan por ter-nos fornecido algumas das informações a seguir, vamos averiguar o porquê dessa constatação.

Israel tem mais crianças per capita que qualquer outro país do primeiro mundo.*

— Para sustentar a população de um país é necessário que as mulheres deem à luz a 2,1 filhos, Israel tem um índice de natalidade de 2,65, o que faz com que seja o único país adiantado a exceder a reposição. (O país que chega mais perto é a França com 2,08, sendo o mais baixo Cingapura com 0,79). Apesar dos religiosos e dos árabes responderem de alguma forma por esse índice robusto, os judeus seculares são a chave.

— Israel desfrutou de um crescimento de 14,5% do produto interno bruto, durante a recessão entre 2008 e 2012, significando a maior taxa de crescimento econômico em relação a qualquer país da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). (Por outro lado, as economias adiantadas, como um todo, tiveram uma taxa de crescimento de 2,3%, com o peso dos Estados Unidos de 2,9% e a zona do Euro de 0,4% negativo). Israel investe 4,5% do produto interno bruto (GDP) em pesquisa e desenvolvimento, a mais alta porcentagem do mundo.

— Por conta das descobertas de gás e petróleo, observa Walter Russell Mead, “a Terra Prometida, do ponto de vista de recursos naturais, poderia ser, centímetro a centímetro o país mais valioso e rico em energia do mundo”. Esses recursos aprimoram a posição de Israel no mundo.

Gás natural do campo Tamar em Israel acaba de chegar aos consumidores.

— Com a Síria e o Egito absorvidos pelos problemas internos, a ameaça existencial que esses países uma vez apresentavam, praticamente desapareceu, por ora. Graças a táticas inovadoras, os ataques terroristas foram quase eliminados. As Forças de Defesa de Israel (IDF) contam com recursos humanos excepcionais e se encontram na vanguarda da tecnologia militar e, a sociedade israelense comprovou sua prontidão para combater em um conflito prolongado. O Sr. Inbar, estrategista, conclui que “o diferencial de poder entre Israel e seus vizinhos árabes continua crescendo”.

— O foco diplomático palestino que dominou a política do país por décadas após 1967 perdeu terreno, sendo que apenas

10% dos israelenses judeus julgam as negociações como alta prioridade. O Sr. Kerry pode estar obcecado frente a essa questão, mas nas ásperas palavras de um político, “Debater sobre o processo de paz é como debater sobre a cor da camisa que você irá usar ao aterrissar em Marte”.

— Até mesmo o problema nuclear iraniano pode ser menos terrível que parece. Segundo a previsão do analista militar Anthony Cordesman, o poder destrutivo imensamente superior do arsenal nuclear israelense juntamente com o crescente sistema defensivo de mísseis, uma batalha nuclear causaria grande destruição em Israel, mas a civilização iraniana seria destruída. “A recuperação iraniana não seria possível no sentido convencional do termo”. Por mais maníaca que seja a liderança iraniana, seria ela capaz de arriscar tudo?

— O sucesso do movimento “boicote, desinvestimento e sanções ” é muito limitado (Stephen Hawking esnobou o convite do presidente! Um órgão das Nações Unidas aprovou mais uma condenação absurda). Israel mantém relações diplomáticas com 156 dos 193 membros das Nações Unidas. Ao analisar diversos índices, o Sr. Inbar pôde verificar que, em termos globais, “Israel está realmente bem integrado”.

— Em pesquisas de opinião realizadas nos Estados Unidos, país mais importante do mundo e principal aliado de Israel, o Estado Judeu bate os palestinos pela razão de 4 para 1. Apesar das universidades serem realmente hostis, pergunto aos agoniados a seguinte questão: Onde você preferiria ter força, no Congresso dos EUA ou em algum campus? Fazer a pergunta é respondê-la.

— As tensões entre os asquenazitas e os sefaraditas diminuíram com o passar do tempo devido a uma combinação de casamentos mistos e a polinização cruzada das culturas. A questão da falta de participação dos religiosos está finalmente sendo abordada.

— Os israelenses fizeram contribuições culturais impressionantes, especialmente na música clássica, levando o crítico, David Goldman, a chamar Israel uma “mini superpotência nas artes”.

A Israel Philharmonic Orchestra (Orquestra Filarmônica de Israel), fundada em 1936 é uma respeitada instituição cultural.

Prestem atenção, antissionistas e antissemitas, palestinos e islamistas, extrema direita e extrema esquerda: vocês estão travando uma batalha perdida, o Estado Judeu está vencendo. Conforme o Sr. Inbar conclui corretamente, “O tempo está correndo a favor de Israel”. Desistam, encontrem outro país para atormentar.

O Sr. Pipes (DanielPipes.org) é o presidente do Middle East Forum. © 2013 por Daniel Pipes. Todos os direitos reservados.

*Esta foto mostra Miri Leshem-Pelly, israelense, naturalista, ilustradora e autora de livros para crianças, lendo seu livro Lon-Lon’s Big Night para uma classe. Publicado em inglês e hebraico, o livro apresenta para as crianças a fauna do Negev.


Adendo, 5 de junho de 2013: Para obter mais informações sobre Israel nessa linha (por exemplo, o feito único na reciclagem da água), acesse meu blog “Israel Extraordinário“.

Tópicos Relacionados:  Israel

One Comment to “Israel Feliz”

  1. Buen articulo de Pipes. Una de las estrategias de Eurabia, financiadas por el islamonazismo y secundada por la izquierda en Israel, es la de sembrar el pesimismo en la poblacion para que sea mas proclive a ceder y propiciar el suicidio nacional.

    Otra estrategia ciclica mas practicada por los EEUU es la de afirmar que no queda ya casi tiempo para “hacer la paz”, otra vez ceder para propiciar el suicidio nacional, y que la alternativa es la absoluta catastrofe.

    En realidad, y desde el punto de vista estrategico, no hay razon para el pesimismo y ademas el diferencial de poder entre Israel y Eurabia no hace mas que crecer en favor del primero. Si Israel tuviera la voluntad de esperar unos años mas ( no mas de 10) veria como todos los paises arabes se desmoronan a su alrededor y magicamente Europa daria otro giro a su politica al no llegarle mas los petrodolares por los que se vende.

    Me gusta

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

Conectando a %s

A %d blogueros les gusta esto: